Foto: FENDA

O rapper maringaense Arthur Castilho, 27, encontra no personagem TUTU a liberdade de criação e, produzindo, afirma sua identidade “pé vermelha”, do interior do Paraná, lembrando sempre das raízes dos ancestrais nordestinos.

São essas raízes que dão ao músico a capacidade de enxergar diferentes percepções e significados sobre a vida, que ele imprime no trabalho de estreia, Efeito.

“Eu acredito que cada artista deixa o que foi naquele momento. No show, o artista canta o que já foi. Por isso, eu acredito que TUTU é só um personagem, ao mesmo tempo que é a minha verdade, mas a verdade do que já fui”, explica.

Em 20 minutos, o disco engloba diversos assuntos contemporâneos, divididos em sete faixas. De forma poética e sem medo de brincar com os sons e significados das palavras, TUTU mostra como a ancestralidade, a política, a natureza e o urbano são, ao mesmo tempo, elementos que nos formam como ser humano.

“Os jogos com sons e significados das palavras vem do exercício de enxergar a mesma coisa com outros olhos. O disco é muito uma questão de percepção e ressignificação do momento, no mesmo tempo e espaço. De como os assuntos podem ser absorvidos de diferentes formas”, explica.

A partir das referências musicais, é incontestável dizer que Efeito é um álbum de música popular brasileira feito por um rapper. Inspirando-se, principalmente, em Nação Zumbi, Criolo e BaianaSystem, as sete faixas passeiam pelo brega, forró, bossa nova e músicas afro-brasileiras. O rap, porém, sempre apontando o norte. Em “Abelha”, inclusive, TUTU
aproveita para homenagear o gênero e todo movimento hip hop, convidando os integrantes Lubs e Greg, da Manada Crew, para rimar.

“Essa música foi o meu convite a quem me inseriu no rap, me mostrou o que você faz com o movimento hip hop para que ele seja o movimento, com o respeito a cada elemento. Abelhas são as maiores polinizadoras do mundo e eu acredito que isso precisa ser polinizado, o rap”, pontua.

Na capa do disco, produzida por Carol Dantas, o cavalo ilustrado pela avó do músico, Odila Galdino, é peça simbólica e importante. Não só pela ligação familiar, mas também por carregar a analogia entre o cavalo e os sentimentos:

“Os pensamentos são cavalos. A rédea está na mão do eu superior, que está guiando os pensamentos. A meditação vem para cessar ou tranquilizar os movimentos dos cavalos”, explica TUTU.

Menos de meia hora de música dançante e pensante, para que cada ouvinte possa perceber e ressignificar a própria existência. Pois, como disse Fernando Pessoa: “Tudo quanto vive, vive porque muda; muda porque passa.” Com a vida em constante transformação, TUTU nos auxilia a enxergar um novo sentido em cada elemento que nos forma como ser humano. Ouça:

COMENTÁRIOS

LEIA TAMBÉM

POCKET

Maringaense lança segundo livro com peças teatrais musicais

“Para cantar o teatro” traz textos teatrais de “Airumã” e “As 4 estações" e será lançado no dia 18 de agosto, na Fundação Luzamor Maringá.
POCKET

Projeto está ensinando dança de graça em vários bairros de Maringá

Projeto ‘Dançando nos Centros’ começou em agosto com aulas de forró e dabke.
POCKET

Programa para o mercado musical será lançado em Maringá

Sebrae/PR apresentará trilha de aceleração durante o Meetup Music Business, evento realizado pela entidade e Oneal
POCKET

Trupe Benkady: Grupo de pesquisa em dança e ritmos afro se apresenta em Maringá

A sexta etapa do projeto ProjecT.aTo – a dança como ato, conta com oficina de dança e espetáculo, nos dias 2 e 3 de agosto.