Em tempos em que o cinema nacional está em risco, segue sendo desacreditado pela população e achatado pelo poder público, achamos importante não deixar que o Dia Nacional do Documentário Brasileiro, que é celebrado hoje (7), passasse batido.

E nada mais justo do que comemorarmos a data enaltecendo o primeiro documentário lançado pela Circular Cultural, né? Por isso, durante as próximas 24 horas, o filme “Vou de Bike: mobilidade urbana e o direito à cidade em Maringá” ficará disponível para ser assistido online mais uma vez! 

Pra completar a comemoração, trazemos também dicas de outros documentários nacionais legais – alguns também de Maringá e região – para quem já viu o Vou de Bike ou só quer aumentar aquela lista infinita de coisas para assistir. Dá uma olhada!

Vou de Bike

Lançado em março em um evento público e gratuito durante a primeira etapa da Semana Municipal das Artes e da Cultura, o filme leva a discussão sobre o papel da bicicleta nos problemas de mobilidade urbana para a realidade de Maringá (PR).

No média metragem, acompanhamos ciclistas que pedalam todos os dias e falam sobre as dores e as delícias de se locomover de bike. Também conversamos com pesquisadores e cicloativistas sobre o que falta para que a cidade se torne uma referência nacional de mobilidade. 

Assista o filme:

Para ficar de olho

O audiovisual na região de Maringá tem rendido bons frutos nos últimos tempos. Por isso, aproveitamos a data para trazer aqui outras dicas de produções locais nas quais vale a pena ficar de olho.

Cidade Canção: os primeiros anos da música maringaense

O filme “Cidade Canção – os primeiros anos da música maringaense”, faz um importante registro histórico da aborda a relação sobre a relação de Maringá com a música nos 30 primeiros anos da cidade – período de intensa movimentação cultural. O filme tem direção Lincoln Copceski e roteiro dele com Felipe de Moraes e Ricardo Kenji.

A partir da memória de personagens que viveram esse período, a produção fala sobre os movimentos que colaboraram para que a cidade recém-criada se tornasse um grande polo musical.

O filme foi viabilizado por meio do Prêmio Aniceto Matti, da Semuc (Secretaria de Cultura de Maringá) e estreou em dezembro de 2018, com várias exibições gratuitas em Maringá. Vale a pena acompanhar a página do projeto para ser informado de outras possíveis exibições. 

Isso (não) é um assalto

Produzido em Londrina pela Kinopus Audiovisual, o documentário conta a história do assalto ao banco Banestado de Londrina em 1987, um dos sequestros mais longos com grande número de reféns da história do país.

O longa foi escrito e dirigido por Rodrigo Grota e viabilizado por meio do Edital de Desenvolvimento do FSA (Fundo Setorial do Audiovisual)/Prodav 05/2016.

Dá uma olhada no trailer e sinopse:

Sinopse: Dezembro de 1987: sete assaltantes entram em um banco no centro de Londrina e fazem 300 reféns. Vestindo capuz, pedem ao gerente todo o dinheiro existente na cidade. Uma multidão se aglomera nas ruas e torce pelos bandidos. Após sete horas de negociação, o bando sai com 14 reféns e foge. Durante a fuga na estrada, trocam tiros com a Polícia, se escondem na mata, e são presos. Apenas um permanece foragido.

O filme estreou em novembro de 2018 e não está sendo exibido no momento, mas na página da Kinopus dá pra acompanhar outras futuras exibições.

Para assistir hoje

23.11.1967: Documentos do Caso Clodimar Pedrosa Lô

Antes de virar livro e peça de teatro,  o triste caso do menino Clodimar Pedrosa Lô – que é provavelmente o crime mais famoso da história de Maringá – virou filme!

Primeiro longa-metragem escrito e dirigido por Eliton Oliveira (Gato na Árvore Filmes), o documentário reúne depoimentos de 12 pessoas que ajudam a recontar a história: um adolescente nordestino que veio tentar a vida no sul e acabou covardemente torturado e assassinado por conta de uma falsa acusação de furto.

Ilha das Flores (Jorge Furtado, 1989)

É impossível fazer uma lista de documentários nacionais sem citar o clássico Ilha das Flores, escrito e dirigido por Jorge Furtado.  Lançado em 1989, o filme foi eleito melhor curta-metragem brasileiro da história pela Abraccine (Associação Brasileira de Crítica de Cinema), figura no livro “1001 Filmes Para Ver Antes de Morrer” e,  em 1995, foi escolhido pela crítica europeia como um dos 100 mais importantes curta-metragens do século. 

Com senso de humor ácido e um estilo de texto que transita entre o relato jornalístico e a explicação técnica, Ilha das Flores conta uma história sobre um aterro sanitário da periferia de Porto Alegre para fazer uma grande crítica ao sistema de consumo e às relações econômicas. Apesar de ter sido lançado há 30 anos, segue sendo – infelizmente – absurdamente atual.

O curta está disponível no Youtube e tem pouco mais de 10 minutos de duração, então não tem desculpa pra não ver. Assista!

Dia Nacional do Documentário Brasileiro

Celebrada desde 1973, a data lembra o aniversário do cineasta baiano Olney São Paulo (nascido em 1936) que, na década de 1960, foi preso e torturado pelo regime militar.

Olney São Paulo foi autor do emblemático curta-metragem Manhã Cinzenta (1968/69), que ganhou o Prêmio Lênin da Paz no Festival de Oberhausen, na Alemanha, em 1972.

Quando preso durante a ditadura, o cineasta teve que entregar os negativos e as cópias do filme – a história é uma alegoria sobre regimes militares e se passa em um país fictício da América Latina. Porém, uma das cópias ficou escondida na Cinemateca do MAM (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro) durante 25 até ser recuperada.  Hoje, o filme pode ser assistido online.

Tem outras sugestões de documentários brasileiros? Deixa aí nos comentários!

COMENTÁRIOS

LEIA TAMBÉM

POCKET

Filme londrinense ‘Leste Oeste’ entra em circuito e estreia em Maringá

Outras estreias incluem o drama “Meu Amigo Enzo” e o terror “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro”.
POCKET

“Vou de Bike” e dicas de filme no Dia Nacional do Documentário Brasileiro

Em tempos em que o cinema nacional está em risco, segue sendo desacreditado pela população e achatado pelo poder público, achamos ...
POCKET

10º Festival Varilux de Cinema Francês entra em cartaz em Maringá

As exibições dos 17 filmes que contemplam a programação começam dia 06 e seguem até o dia 19 de junho
POCKET

Festival de Cinema de Vitória abre inscrições para curta e longa metragem

Festival acontece entre 24 e 29 de setembro e produtores de Maringá podem participar